Summary: Diversos elementos de máquina, fabricados de metais ou ligas metálicas, polímeros, cerâmicos, compósitos ou, simplesmente, revestidos, que são empregados em vários sistemas mecânicos, trabalham com suas superfícies deslizando umas contra as outras e, freqüentemente, um dano numa ou em ambas superfícies aparece envolvendo, geralmente, a perda progressiva de material, tem-se, assim, o desgaste por deslizamento. Por ter um caráter sistêmico, vários fatores influenciam no desgaste: as variáveis de projeto, de trabalho e do material do elemento de máquina. Todavia, algumas variáveis sobressaem, tais como: carga normal, velocidade de deslizamento, tamanho e orientação dos elementos, temperatura, ambiente e as propriedades dos materiais, tais como dureza e tenacidade à fratura. Conhecendo-se bem sistema tribológico e, sobretudo, determinando os mecanismos de desgaste apresentados pelos corpos (elementos de máquinas) em situações reais, é possível em laboratório tentar reproduzir tais mecanismos, através de ensaios em tribômetros, monitorando o atrito e a taxa de desgaste. Encontrado a semelhança entre os mecanismos de desgaste de laboratório com o real, faz-se, a partir daí, classificação de materiais candidatos a resistirem o desgaste por deslizamento.

Starting date: 2013-06-01
Deadline (months): 120

Participants:

Rolesort descending Name
Coordinator * Cherlio Scandian
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910