Análise da Influência de Tratamento Térmico na Resistência a Corrosão-Erosão do Aço Inoxidável AISI 304

Nome: Dimisson Abreu Louzada
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 18/12/2008
Orientador:

Nomeordem crescente Papel
Marcelo Camargo Severo de Macêdo Orientador

Banca:

Nomeordem crescente Papel
Sinésio Domingues Franco Examinador Externo
Marcelo Camargo Severo de Macêdo Orientador
ANTONIO CESAR BOZZI Examinador Interno

Resumo: Este presente estudo visa obter informações e dados que possibilitem a análise do desgaste por erosão pura, corrosão pura e corrosão-erosão do aço inoxidável AISI 304 submetido a quatro condições microestruturais: encruada, sensitizada e não sensitizada, e solubilizada, sensitizada e não sensitizada. A sensitização foi gerada a partir de um tratamento térmico a uma temperatura de 650 °C durante 5 horas com resfriamento em ar, enquanto a solubilização foi realizada a uma temperatura de 1050 °C durante 1 hora, com resfriamento rápido em água. Estas amostras foram
ensaiadas em um erosímetro, onde os experimentos foram realizados a uma velocidade de impacto de 7,5 m/s na temperatura ambiente. Foram utilizadas partículas de sílica com granulometria de 150 µm e carga sólida igual a 4 % em peso. Os testes de corrosão e corrosão-erosão foram realizados em uma solução de cloreto de sódio mais ácido acético contendo uma concentração de 10-3 mol/l de tiossulfato de sódio, a qual busca simular a presença de H2S. Amostras cilíndricas com diâmetro de 4,76 mm foram confeccionadas a partir de um tarugo e submetidas à pesagem antes e depois de cada teste. A sensitização, nas amostras encruadas, não afetou ou pouco afetou a resistência à erosão. Já as amostras solubilizadas tiveram a maior taxa de erosão para ambas as condições. Foram observadas perdas de massa por corrosão de duas a seis vezes menores as que haviam sido observadas durante os ensaios de erosão. Para as amostras encruadas, as não sensitizadas tiveram uma perda de massa por corrosão seis vezes menor do que por erosão, no entanto, as sensitizadas tiveram uma perda de massa por corrosão três vezes menor do que por erosão. Nas amostras solubilizadas, as não sensitizadas tiveram uma perda de massa por corrosão quatro vezes menor do que por erosão, já para as sensitizadas a perda de massa por corrosão foi duas vezes menor. Finalmente, foi observado o efeito sinergético nas condições de ensaio, visto que, a perda de massa obtida por corrosão-erosão do material foi considerável para os três tempos analisados e todos os tipos de amostras e, somente em dois casos foi inexistente.

Nº de páginas 89

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910